<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11778828\x26blogName\x3dMurm%C3%BArios+do+Sil%C3%AAncio\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://murmuriosdosilencio.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3den_US\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://murmuriosdosilencio.blogspot.com/\x26vt\x3d-7896327994340049245', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

21.1.04

This is the end, my friend

Algum dia teria de acontecer. Foi hoje. Chegou o fim da madrugada: acabam aqui as edições regulares destes murmúrios. Os motivos são vários. Mas relacionam-se essencialmente com a espantosa sucessão dos dias e com a relativa indisponibilidade para manter, com um limiar mínimo de qualidade, um blogue desta natureza.

Não é ele, obviamente, a causa toda da anarquia que se vai adensando. Mas é provavelmente o passo mais imediato para disciplinar a agenda e libertar, para outras tarefas que se avolumam e que aguardam, algum do quotidiano aqui investido: ler mais, escrever mais, conviver com carne e com osso, não fazer nada. E os prazeres são isso mesmo: prazeres. Não obrigações. Um blogue não pode existir como um peso que paira.

Foram quatro meses de permanência diária neste mundo acelerado que é a blogoesfera. Muito mudou: aqui, quatro meses são décadas. Muitos visitaram este espaço, alguns polemizaram, outros recomendaram. A todos, um obrigado: pelas palavras e pelos silêncios.

O vício, de resto, não será totalmente abandonado. Num registo menos exaustivo, colectivo, menos totalizante, ainda que tão ou mais exigente, o oxigénio indispensável estará em Sous les pavés, la plage!. Sob as calçadas, a praia. O impossível como exigência do razoável. A um passo mais daquela «imaginação ao poder» que tarda. Para quem conheceu a revista digital ZonaNon, saberá um pouco do que pode esperar destes levantadores de calçadas. Por isso, visitem e recomendem.

E, por fim, o endereço de e-mail continua o mesmo e activo. Nem tudo é definitivo: tratarmo-nos por 'tu' é também uma extensão do Prévert que persiste, vigilante, na dobra deste blogue. Tão desalinhado e insolente como nós.

Um abraço, vemo-nos certamente por aí,

TBR
..

This page is powered by Blogger. Isn't yours?